terça-feira, 7 de maio de 2013

Senhor Monstro e Não Te Quero Matar, Dan Wells - Opinião



Opinião:

Ontem terminei Senhor Monstro. Hoje estou com gripe, tenho febre, não fui capaz de estar no emprego e o que melhor para quem está doente fazer do que estar no sofá a ler? Pois, também não me lembro de muito mais coisas e aquelas de que me lembro não são muito aconselháveis para quem está com febre e sem força. Adiante.

Por tudo isto, comecei a ler Não Te Quero Matar... e já acabei. Lucky me.

Em Senhor Monstro voltamo-nos a encontrar com John Wayne Cleaver, o adolescente sociopata que procura matar demónios na tentativa de saciar o assassino em série que tem dentro de si. Mais vale dar cabo de uns seres sobrenaturais do que torturar e matar os seus familiares e conhecidos, não é? O Wells acha que sim, e quem sou, ainda para mais com a juízo alterado e pirético, para questionar o desígnio do autor?

Assim sendo uma nova vaga de mortes surge no Condado de Clayton e o nosso teenager parte para mais uma investigação com objectivo de descobrir e travar o demónio à solta (leia-se dar-lhe cabo do canastro).

Neste volume da trilogia, mais uma vez, o enredo centra-se muito na luta interna que decorre em John, no seu anseio por violência e na sua busca por reprimir esses desejos mais obscuros, embora intensos e que lhe dariam muito prazer.

Na minha opinião, e é disso que se trata, penso que depois de um primeiro volume em que Dan Wells caracteriza muito bem este jovem perturbado, não havia necessidade de fazê-lo de uma forma tão profunda e repetitiva nesta obra. A maior parte do enredo é sobre esta guerra que John trava consigo próprio, tendo eu por vezes ficado com a sensação de que o resto da história acaba por permanecer em segundo plano.

Lá mais para o final do livro as coisas aquecem um bocadinho mas confesso que dos três livros este foi aquele que menos gostei.

O que nos traz a Não Te Quero Matar.

Neste terceiro e, até ao momento, último livro da série, John Cleaver, que no livro anterior havia ligado a um demónio e lhe anunciou que o haveria de matar, defronta-se com mais um conjunto de assassinatos na sua vila. Cedo Cleaver percebe que o demónio que havia espicaçado aí estava para o apanhar.

A contagem de corpos vai aumentando à medida que o número de conhecidos e amigos de John vai diminuindo drasticamente.

Este é, em meu entender, o melhor dos três volumes. Wells não insiste tanto em bater no ceguinho e embora  a luta interior do nosso herói/sociopata esteja bem presente no enredo, a sua exploração parece-me muito melhor gerida.

O enredo está mais rico, existe mais emoção e suspense, o autor procura dedicar-se mais ao propriamente dito do que passar o tempo todo a explicar o que já todos havíamos percebido e o leitor só ganha com isso.

John Cleaver parece mais despachado e menos "morcão" e toda a obra está repleta de relações humanas, suspense, acção, violência, morte, perda, sofrimento, vingança mas também amor e amizade.

Existem aqui e ali umas facilidades ou inocências nas acções narradas que não seriam, de todo, desejáveis mas o interesse que Wells consegue impregnar nesta história, com umas belas reviravoltas e suspense fazem rapidamente esquecer essa mão cheia de linhas.

Estamos perante um excelente livro e, como havia já referido, de longe, o melhor dos três.

Boas leituras.

5 comentários:

Efeito Cris disse...

e confirma-se - é mesmo para ser lido em trilogia?
só faz sentido assim?

bj
boas leituras
cris

Mónica Durão disse...

As melhoras desde já... E mais uma vez adorei ler a tua opinião. Não tou a modos que com vontade de ler porque não gosto muito de demónios e tal, mas gosto sempre de ler o que se tem a dizer sobre todo o tipo de livros. :)

André Nuno disse...

Olá Cris. :)
Olha, é uma trilogia, os livros são relacionados e nos dois últimos o autor fala dos anteriores. A história de um segue no seguinte e é melhor lê-los por ordem, mas cada um é um episódio com princípio e fim.
Bjs e boas leituras!

Olá Mónica. :)
Obrigado pela visita e pelo desejo de melhoras. Embora "os maus" sejam demónios têm aparência e comportamento humanos. Só no momento de matar e torturar se manifesta esse lado demoníaco. Digamos que se trata de uma trilogia "levemente" sobrenatural.

Bjs e boas leituras!

nuno chaves disse...

Por esta altura já estás melhor da gripe com certeza.... é o que faz dormir com "eles" destapados.
Quanto a este livros de Dan Wells, seguem uma certa ordem (gosto de os ler assim) tenho muita curiosidade como te tinha dito quando opinaste sobre o 1º livro.

André Nuno disse...

Nuno,
sim, amigo, já estou bom da minha gripe. Pronto para outra! :)
De facto durmo com tudo de fora...
Adiante.
Há um toque de sobrenatural nesta trilogia que poderá não agradar a todos mas é algo tão leve que poderá não influir negativamente... É uma questão de leres e partilhares a tua opinião connosco. :)