quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Indignação, Philip Roth - Opinião




Philip Roth é um escritor soberbo. Apetece-me iniciar a minha opinião deste modo.
Urge-me esclarecer de chofre que Philip Roth é um escrevedor com uma capacidade ímpar de imaginar e pintar pormenorizadamente cenários aparentemente simples mas de difícil acesso e explanação ao mais comum dos escritores.

Em Indignação o nosso autor explora a emancipação de um jovem, Marcus Messner, em particular a sua ida para a Universidade;
a transferência desse estabelecimento de ensino para um outro a milhas de distância para fugir ao pai que parece estar a perder a noção da realidade;
as peripécias, os pensamentos, as dúvidas, os medos, a coragem, as estupidezes e brilhantismos deste jovem judeu ateu numa Universidade supostamente secular mas que obriga os discentes a atender a cultos religiosos;
a divertida exploração da sexualidade por este inexperiente jovem - ainda para mais nos anos 50;
a memória da sua educação e crescimento, o trabalho com o pai no talho kosher da família, a matança dos animais de acordo com o ritual impreterível, as lâminas e o sangue;
a força da sua mãe;
a Guerra, as lâminas e o sangue;

Tudo isto com uma profundidade e realismo notáveis mas sempre sem perder uma capacidade de humor que me surpreendeu constantemente ao longo de toda a obra.
A pintura da sociedade da época plena de significado e reflexões inesgotáveis.

Tenho o hábito de dobrar um cantinho das páginas que possuem passagens que considero importantes ou, por este ou outro motivo, de um relevo substancial. Tive de me refrear um pouco porque a páginas tantas já não havia tantas páginas por dobrar como já dobradas...

Este livro foi para mim uma surpresa maravilhosa. A sua leitura fluiu escorreita e deliciosa.
Um dos melhores livros que tive o prazer de ler este ano, de uma qualidade absolutamente iniludível.

Recomendo vivamente a todos aqueles que gostam de narrativas com profundidade e alguma reflexão, embora seja perfeitamente acessível mesmo àqueles que não desfrutam tanto desse tipo de escrita.

Boas leituras a todos.

4 comentários:

teresa dias disse...

Olá André Nuno,
Excelente texto, sobre um fabuloso romance, de um extraordinário escritor.Ele tem mais. Procura.
(Sabes o que eu faço, sublinho os parágrafos - sempre a lápis - e anoto o nº da página no início do romance, naquelas folhas praticamente em branco).
Bjs.

André Nuno disse...

Olá, Teresa. Obrigado pelas palavras simpáticas. De facto gostei imenso deste livro. Já tinha lido Conspiração Contra a América e não havia gostado tanto.
Tenho cá em casa A Mancha Humana e não deverá tardar até que o leia...
É uma boa ideia, essa, a de sublinhar e registar o número das páginas... talvez venha a adoptar o teu sistema.
Bjs e boas leituras!

Mónica disse...

Nunca li nada deste autor, mas depois de ler a tua opinião sobre este livro fiquei com muita vontade de o fazer. Obrigada por a partilhares. :)

André Nuno disse...

Obrigado eu, Mónica, pela visita e pelo comentário. :)